middle aged female psychologist making note while patient talking

Esteja atento.

Seja você mesmo. Cure suas feridas e olhe profundamente para o seu próprio processo. Acolha, sinta e aceite suas vulnerabilidades. Encoraje e aprecie estar no “aqui e agora”. Permaneça com o material incômodo.

Escute

Fique com os sentimentos do cliente e contenha-os, quaisquer que sejam eles. Escute. Ajude os clientes a assumir seus sentimentos e as diferentes partes que rejeitam. Compreenda, embale e gentilmente devolva aos clientes suas projeções. Lembre-se, os clientes não podem fazer mal.

Não rotule

Evite rotular quando se sentir nervoso. Entenda que por trás do rótulo de narcisismo, há ofensas e feridas. Os assim chamados “limítrofes” na verdade são, interiormente, crianças vítimas de abuso, em busca de amor e continência.

Diferencie-se.

Não assuma a responsabilidade pela dor, pelos conflitos ou problemas do cliente – são dele.

Fique Presente

Seja consistente, fique presente, seja honesto. Esteja presente com o coração. Confie no processo psicoterápico. Funciona. Seja paciente. Descubra “eus” ocultos.

Seja Empático

Empatia, empatia, empatia. Continue crescendo e torne-se emocionalmente tão sadio quanto possível. Confie e comprometa-se. Compartilhe com colegas. Cerque-se de pessoas com as quais você possa ser vulnerável e em quem possa confiar.

Seja encorajador

Encoraje os clientes a aceitar seus próprios sentimentos e necessidades. Investigue o passado de seu cliente através das projeções atuais e compreenda o comportamento atual através da investigação do passado. Aprecie o poder do processo inconsciente. O seu e o do seu cliente.

Devolva

Assimile, escolha, desintoxique e calorosamente devolva aos clientes o que eles põem em você. Compreenda a privação e a fome interna. Perceba que o emaranhamento oculta a alma. O abandono parece um vazio. Seja paciente com a ambivalência.

Acredite

Tenha amigos. Trabalhe pelo seu próprio esclarecimento. Encoraje a expressão do material emocionalmente carregado. Seja um modelo de papel positivo. Acredite e instile um sentido realista de esperança e encorajamento, sem infantilizar.

Signifique

Continue sua terapia. Compareça na supervisão. Retorne os telefonemas dos clientes. Ajude-os a ganhar um significado mais profundo nas suas vidas. Acredite no processo paralelo, você também já passou por isso. Mantenha-se criativo e espontâneo.

Investigue

Divirta-se, desfrute do processo de seu cliente. Conheça seus próprios limites. Lembre-se de esticar os horários, é relevante. Investigue, investigue, investigue. O silêncio é mais que ouro.

Acolha

Ofereça um ambiente acolhedor. Ajude os clientes a serem mais aquilo que são. O conselho pode valer mais para o terapeuta do que para o cliente. Reforce o eu total – os “eus” sem expressão, cindidos, estão aí por algum motivo. A terapia pode ajudar os clientes a descobrir o que eles já sabem. As perguntas mais simples podem ser as mais profundas. Crie um porto seguro para a dor, o amor, a excitação, a vergonha, a culpa, a desilusão e o crescimento. Construa um espaço especial para que os clientes sejam eles mesmos. Ame-se.

Ame

Ame os outros. Tire férias. Aprenda a dizer não. O excesso de compromissos conduz ao estresse e à infelicidade, não ao sentimento de realização. Cuidar de você mesmo é cuidar dos outros. Trabalhe com a sua própria necessidade de ser bem quisto e compreendido pelos seus clientes. Permaneça flexível internamente.

Confie

Lembre-se, confie no processo. Realmente funciona. Encoraje a expressão. Não é só o trauma que é devastador, mas a inabilidade de expressá-lo. Acredite nos seus clientes. Perceba a defesa como uma proteção. Os clientes são maravilhosos. Nunca ria deles com outros terapeutas. Engane-se. Tateie. Tudo bem se você se sentir assustado e não souber. Acredite em algo.

Ouça

Coloque os seus próprios limites. Ouça seus clientes a partir do ponto de vista deles. Abrace os seus clientes, talvez, se for saudável e familiar a eles.

Não faça sexo

Nunca, nunca faça sexo com quaisquer clientes passados, presentes ou potenciais. Limites são essenciais. Cuide deles. Trabalhe duro. Coloque-se no prumo, esteja no mesmo barco que o seu cliente. Fique perdido. Algo está acontecendo. Viva este momento e você encontrará solo firme.

Desafie

Desafie os clientes. Tudo bem “explodir”. A terapia é uma experiência de reparação. O terapeuta é um modelo para se estar no processo – há espaço para erros. Não tente encontrar saídas; deixe que os outros afetem seu próprio destino.

Mantenha a calma

Fique calmo nas emergências. Deixe as lágrimas rolarem. Esteja vivo. Leve todos os sentimentos do cliente a sério, especialmente os que lhe dizem respeito.

Tenha calma

Não apresse os clientes em depressão, ela precisa de tempo e expressão. Continue acreditando. Agarre-se a isso. Seja real. Cuide de você e de seus clientes, reconhecendo e lidando com a sua própria contratransferência negativa. Sempre tenha em mente que a contratransferência é um presente, mas só se você abrir seu próprio embrulho.

Não atenue

A compreensão é uma dignidade real, a aceitação, uma coroa de pedras preciosas. Não atenue a dor, a tristeza, a excitação ou a raiva através de explicações. Quando ficar emperrado, vá até o fundo do você mesmo e seja o que você é. A essência da cura pode estar no reflexo e na aceitação dos seus olhos, provendo e espelhando.

Compreenda

Vulnerabilidade é a habilidade de permanecer aberto quando você se sente ameaçado. Tudo bem se for ferido. Não se fixe, apenas compreenda e autorize. Lembre-se, a saída nem sempre está nas suas mãos.

Permaneça

Fique no aqui-e-agora. Mantenha a maioria dos seus compromissos fora da sala. Domine a arte do deixar acontecer. Sente-se silenciosamente e ouça o material, ele o guiará.

Arrisque

Use-se sempre como um barômetro. Deseje arriscar. Não submerja seus clientes, alimente-os somente com gotas que possam absorver.

Compreenda

Ouça as metáforas. Compreenda os sonhos e as fantasias. Respeite as defesas arcaicas e ajuda a substituí-las com cuidado e compaixão, no próprio ritmo do cliente. Com certos clientes, pinte, desenhe e trabalhe com barro. Sente-se no chão com outros. Use a troca de papeis e a cadeira vazia com moderação quando os clientes estiverem emperrados e reprimidos. Lembre-se, catarse só com insight, conexão e significado.

Intua

Tente não confundir intensidade com intimidade. Ouça o trabalho do seu cliente através do processo dele. Quando não souber o que fazer, não faça nada. Acredite na sua intuição e insight.


Lamente

Lamente a perda. Não esqueça, os tiroteios no trânsito realmente acontecem. Ouça o rancor racista e o grito por justiça: é real. Não os atenue racionalizando-os. Dê ouvidos à vergonha e devastação do abuso feito à criança sem projetar seus próprios sentimentos ou lembranças enterradas.

Não desavalorize

Reconheça e identifique vícios. A A.A. funciona. Não compita, não desvalorize nem minimize sua importância. Dê-se conta de que você tem algo a acrescentar. Olhe para a cidade, os velhos, os doentes e os pobres.

Fique atento

Respire. Preste atenção na respiração, no corpo, na couraça e na expressão dos seus clientes. Valide suas couraças. Ouça o tom, a inflexão e a volume da voz. Nem sempre a essência está naquilo que é dito, mas no modo como é dito. Preste atenção e sintonize na linguagem corporal e nos indícios não verbais.

Olhe-se

Cuidado para não transformar seus clientes em pacientes identificados, você também tem suas próprias questões.

Lute

Confronte seus colegas. Lute a cada dia para que seja diferente – você pode. Dê aos seus clientes a liberdade de serem eles mesmos, e eles lhe darão a liberdade de estar com eles.

Não critique

Ser terapeuta é um privilégio. Só passe por aquela porta com um grande respeito. Homo sapiens, homossexual, homofóbico – que diferença faz… no fundo somos tosos muito parecidos. Não há espaço para criticas.

Acalme-se

Encare uma sessão por vez. Acredite que seus clientes farão o que é melhor para eles. Fique à vontade nos espaços desconhecidos. Tolere não saber. Ajude os clientes a lidar com os extremos preto e branco, acrescentando e combinando tons de cinza, cor-de-rosa, laranja, verde e vermelho. Quando você fica atento ao que está acontecendo na sala, o momento é vivo e dinâmico como qualquer processo saudável. A ansiedade é um compasso tentando dar a direção. Você pode ajudar a navegar por águas mais calmas ou mares bravios.

Tolere

Quando o cliente estiver emperrado, procure a dor. Tolere a ambigüidade. Descubra culturas, religiões, idades e orientações sexuais diferentes das suas. Atenda aos clientes sendo caloroso, firme e flexível – os conteúdos não importam, todos são adequados e trabalham em conjunto.

Não diminua

Clientes com doenças que ameaçam a vida não são diferentes de você e eu. Todos nós precisamos encarar a morte e aceitá-la. A perda gera dor. Não a diminua ou apresse. A compaixão, a empatia e a gentileza nasceram dela. A dor conecta todos nós.

Aprenda

Aprenda com a riqueza das experiências do seu cliente. Busque as profundezas do seu próprio desespero, sua própria necessidade de admiração, excitação e controle. Auxilie seus clientes oferecendo significado aos seus pensamentos, sentimentos, reações e comportamentos sem reduzí-los a meros símbolos. As imagens tem vida e energia próprias. Interprete-as rápido demais e poderá esvaziá-las.

Seja livre

Pense clínica, criativa e conscientemente. Responda livre e amorosamente. Traduza. Ajude os clientes a integrar. Aceite sua própria vulnerabilidade. Às vezes somos autênticos, outras somos uma fraude; às vezes distantes, outras conectados. Conheça a mágica da auto-expressão, da honestidade e de ser real, e a dor de não ser capaz de estar presente.

Sintonize

Aceite que podemos apenas saber um pouco. Sintonize-se com as necessidades especiais dos seus clientes. Encaminhe alguns deles para a ioga, a ginástica ou a acupuntura, outros para a medicação física ou psiquiátrica.

Seja paciente

Compreenda a sua própria necessidade de afeto, contato e toque. Aceite sua própria hostilidade, rancor e medo. Sinta e experiencie suas paixões. Compreenda a depressão, ansiedade e a psicose. Interprete, traduza e sente-se com o caos. Seja paciente.

Decifre

Trabalhe com a transferência. A experiência maravilhosa da terapia surge quando você se torna capaz de reconhecer o impacto dinâmico da relação entre terapeuta e cliente. Decifre a linguagem e a sutileza da identificação projetiva. Saiba que o medo do abandono e o medo de ser abafado são os reversos da mesma dor.

Reforce

Reforce delicadamente todos os conflitos do aqui-e-agora. A terapia é um paralelo da vida: fé, amor, perda,. aceitação e abria mão. A psicoterapia é uma arte e uma tecnologia que funcionam.

Persista

Continue plantando sementes. Aquelas destinadas a germinar vingarão e brotarão, florescerão e crescerão.

Lembre-se

Lembre-se que quando alguém sente como se estivesse se esfacelando, isto pode simplesmente significar que está se juntando.

Jeff Blume – Bombshelter Press – Los Angeles, 1995

__________________________________

Fiquei devendo esse texto aos meus alunos de formação em Gestalt-terapia em Curitiba no nosso ultimo encontro. Mas é um texto tão rico e profundo para todo tipo de terapeutas, que achei que deveria torná-lo mais publico. Aliás, acredito que essas reflexões e recomendações de Jeff Blume não servem somente para psicoterapeutas de linha gestáltica, para para todos os terapeutas e todas as pessoas que de alguma forma lidam com outras pessoas e que proporcionam algum tipo de ajuda ou crescimento, já que, etimologicamente, terapia significa não mais que ajuda, auxílio.

Roberte Metring

_________________

Sucesso e paz.
Varekai (onde quer que seja)
Roberte Metring – CRP 03/12745

Não me peça explicações, não as tenho. Eu simplesmente aconteço.
Psicoterapia – Consultoria – Cursos – Palestras
 Docência – Supervisão
[email protected] – www.psicologoroberte.com.br