O grande sonho de todas as pessoas, sem dúvida, é ter uma relação séria, comprometida e de qualidade. Será isso possível?
O trânsito permite algumas reflexões bem interessantes, já que permite muito mais tempo parado que fluindo ultimamente. Numa dessas idas e vindas congestionadas, comecei a observar os casais, na rua, nos carros, em todo lugar. E comecei a refletir em como a pessoas se comportam em relação à relação que tem.

Relação séria

Algumas pessoas parecem que estão lutando para ter uma relação séria. Mas o que exatamente significa isso? Cheguei a conclusão que os que assim se comportam, levam a relação realmente a sério. Não riem, não brincam, não saem, não se divertem, etc., etc.…. Uma relação séria está parecendo a porta do purgatório. Será por isso que tantos estão fugindo de uma relação séria? A sua é assim? Se é o seu caso, como se sente? Como deve ser uma relação séria? Qual é o seu critério de seriedade? Já pensou nisso? Será que numa relação séria as pessoas podem ser divertidas, felizes, alegres?

Relação de compromisso

Outros tem nutrido uma relação de compromisso. Até mesmo os adolescentes namoradinhos tem um anel de compromisso, aquele pedacinho de lata no dedo, que mostra a todos que fulano e fulana estão comprometidos (talvez possa até dizer, tem dono!). Comprometidos com que? Depois, vão amadurecendo (?) e continuam nutrindo esse compromisso num futuro noivado, casamento…. Bem… Compromisso sugere regras, normas, contratos, acordos. A maioria das pessoas que querem uma relação de compromisso, não sabem nem mesmo o que querem ou podem oferecer para a relação em termos de comprometimento.
Essa “negociação” de compromisso não acontece. As pessoas acham que o outro ou a outra devem saber exatamente qual é o pacto. Mas creiam, a grande maioria nunca fez um pacto. Porém, a cobrança sempre aparece. E o que você pensa sobre isso? O que você espera do seu relacionamento atual, ou talvez futuro? O que pode dizer do seu antigo relacionamento, aquele…., em termos de compromisso e comprometimento? O que você tem para oferecer ao seu relacionamento em termos afetivos, emocionais, sentimentais, intelectuais, sexuais, etc.…? O que o outro, ou outra, tem a oferecer a você nos mesmos termos? O que o outro, ou outra, lhe cobra nesses termos? O que você recebe lhe agrada, está bom, de acordo com seus desejos? Será que você agrada o outro plenamente, ou só parcialmente, e muitas vezes segundo seus próprios interesses e ganhos?

Relação de qualidade

Alguns poucos, independentemente dos “compromissos” ou da “seriedade” optam por nutrir uma relação de qualidade. Mas o mais interessante, é que toda relação de qualidade tem poucos compromissos, e os que existem são muito claros e respeitados; e pouca seriedade, ou seja, as pessoas deixam de ser um do outro, para serem um com o outro, e deixam a vida divertida com isso.
As relações de qualidade independem de anéis de aço, prata ou ouro, que muitas vezes se tornam verdadeiros grilhões escravizantes. Independem de papeis de propriedade um do outro assinados em cartório (embora possam existir, fique claro). As relações de qualidade somente ocorrem para pessoas maduras, que sabem o que desejam e o que não desejam (ou que pelo menos tem consciência dessa busca e se esforçam para seguir na trilha do autoconhecimento), e que acima de tudo privilegiam a si mesmos na relação, não se abandonam, nem abandonam seus ideais, sonhos, planos, amizades, estilos de músicas, leituras, filmes e tantas outras coisas em nome do “outro”. Esse abandono tem se tornado uma constante, e gera cobranças mortíferas no futuro próximo. Se o que outro oferece nesses termos não lhe agrada, lhe perturba, é difícil para você lidar, hora de rever as coisas, pois provavelmente você não viverá uma relação de qualidade.
As pessoas que se entregam a uma relação de qualidade, são aquelas que aprenderam a se respeitar, a se assumir, a se localizar no tempo e no espaço, e resolvem um dia se dedicar a partilhar isso com outro alguém que aprendeu as mesmas coisas, e que se dispõem também a partilhar, sem deixar de viver como um ser íntegro. Uma relação de qualidade é o terceiro elo que se forma de um EU, mais um TU, gerando um NÓS. O que é um NÓS de uma relação EU + TU adoecida?
Nessa relação de qualidade não há cobranças, há diálogo. Não há revezes, há experiências. Não há suspeita, há cumplicidade. Não há posse, há desejo, há respeito, há reciprocidade. Do ponto de vista tão fraterno quanto profano possa parecer. Para essas pessoas, o tempo mais importante é o presente, e o verbo mais importante é viver. E se a própria relação se esgotar, será uma pena, mas como não houve posse, não há perdas.
E você, qual a relação que anda vivendo ou pleiteando? Não tenha pressa, a qualidade é fruto do tempo, da vivência, da experiência.

__________________

Sucesso e paz.
Varekai (onde quer que seja)
Roberte Metring – CRP 03/12745

Não me peça explicações, não as tenho. Eu simplesmente aconteço.
Psicoterapia – Consultoria – Cursos – Palestras
 Docência – Supervisão
contato@psicologoroberte.com.br – www.psicologoroberte.com.br