Fiquei a meditar sobre o ocorrido no Japão semana passada. Um terremoto, seguido de um Tsunami que viajou a 800km/h, velocidade de um avião a jato de carreira, que em menos de 10 minutos chegou ao seu destino e arrasou o que pôde, ao longo do seu incrível percurso.

Tudo isso ocorreu num dia absolutamente normal. Não havia nada de anormal acontecendo. Ninguém podia imaginar que uma catástrofe ocorreria num dia absolutamente normal. Assim também tantas outras catástrofes, naturais ou não, ocorreram na vida das pessoas em dias absolutamente normais.

Em nossas vidas ocorrem pequenas e grandes catástrofes todos os dias, dias absolutamente normais. As coisas não tem data para acontecer, simplesmente acontecem. Isso me faz pensar que as coisas todas são absolutamente normais. O encontro da pessoa amada ocorre em um dia normal. O ataque cardíaco fulminante ocorre num dia absolutamente normal. A noticia do tão sonhado emprego ocorre num dia absolutamente normal. A demissão também ocorre num dia absolutamente normal. A morte de um ente querido ocorre num dia normal. Pode não ser normal sob nosso ponto de vista, mas para o resto do mundo, é um dia absolutamente normal, muitas vezes enfadonho e sem sentido.

Como teria sido aquele dia na vida daqueles milhares de Japoneses se eles soubessem que não seria um dia assim tão normal. O que eles teriam feito se soubessem que seria o último dia de suas vidas, talvez as últimas horas?

Essa meditação me incomodou muito. O que faríamos se soubéssemos que estamos vivendo nosso último dia, ou nossas últimas horas? Como agiríamos ou reagiríamos? Quem procuraríamos? O que faríamos? Que esforços despenderíamos para alcançar o que realmente tem valor? Quantas amenidades seriam deixadas para trás? Como elegeríamos aquilo que realmente é importante? Como olharíamos para as coisas materiais pelas quais tanto lutamos e que agora não poderíamos levar nem usufruir? Qual a pessoa que faríamos questão absoluta de encontrar custasse o que custasse? Quantas perguntas…..

Fiquei curioso em saber o que você que agora lê essa postagem pensa sobre isso. O que você faria com sua vida normal nesse dia normal, se soubesse que a normal morte lhe encontraria? O que você faria se soubesse que HOJE é o último dia de sua vida? O que você faria se soubesse que tem poucas horas para fazer a coisa mais importante que pode fazer em vida?

Roberte Metring

__________________

Sucesso e paz.
Varekai (onde quer que seja)
Roberte Metring – CRP 03/12745

Não me peça explicações, não as tenho. Eu simplesmente aconteço.
Psicoterapia – Consultoria – Cursos – Palestras
 Docência – Supervisão
contato@psicologoroberte.com.br – www.psicologoroberte.com.br