Tamiflu é o remédio utilizado para combate aos males causados pelo vírus H1N1 atualmente, e, claro que não com as mesmas técnicas utilizadas em laboratórios, e talvez com eficácia menor ou até mesmo contestada por algumas pessoas, podemos, em casa, preparar um chazinho com o mesmo princípio ativo do Tamiflu: o anis (funcho, erva-doce). Antes de divulgar esta informação pesquisei sobre se era verdadeira ou não. Obtive respostas positivas, com o auxílio de meu amigo Jackson Barbosa, farmacêutico.

Qual o princípio ativo do Tamiflu?

O anis estrelado é o extrato-base (75%) da produção do medicamento anti-viral Tamiflu, atualmente produzido pelo laboratório químico-farmacêutico Roche. A Roche é a empresa que detém os direitos de fabricação e comercialização do Tamiflu, cuja patente é de propriedade do laboratório Gilead Sciences que tem como majoritário e ex-presidente o antigo Secretário de Defesa dos EUA Donald Runsfield, e compra 90% da produção de anis estrelado da China desde 1997, quando surgiram os primeiros casos da gripe aviária, consequência da ação do vírus H5N1, uma variante do vírus H1N1. Essa compra toda deixa a produção quase totalmente comprometida para o uso fora da indústria farmacêutica.

Qual o equivalente no Brasil?

Possuímos no Brasil um equivalente do anis estrelado. O nosso anis leva o nome de erva-doce, também conhecida como funcho, e possui as mesmas substâncias do anis estrelado, ou seja, o mesmo princípio ativo, e age como anti-inflamatória, sedativa da tosse, expectorante, digestiva, contra asma, diarréia, gases, cólicas, cãibras, náuseas, doenças da bexiga, gastrointestinais, etc

Quais os efeitos da erva-doce?

Seu efeito é rápido no organismo e baixa um pouco a pressão, devendo ser feito o chá com apenas uma colher de café das sementes para cada 200ml de água, administrado uma a duas vezes ao dia, de preferência após uma refeição em que se tenha ingerido sal.

Trata-se de um excelente preventivo contra os efeitos do contato com o vírus H1N1, ou mesmo como remédio a ser tomado imediatamente após os primeiros sintomas de gripe, pois seu princípio ativo poderá bloquear a reprodução do vírus e mesmo evitar seu maior contágio.

O uso da erva-doce substitui o Tamiflu?

Pouco ou nada adiantará utilizar a erva-doce após 36 horas do possível contágio pelo H1N1, pois a erva não terá mais força substancial para bloquear a propagação do vírus no sistema respiratório.

Quais os efeitos colaterais do uso da erva-doce?

Os efeitos colaterais do uso em chá da erva-doce são uma pequena sonolência nas 2 primeiras horas, por isso deve-se evitar dirigir e/ou operar máquinas nesse período.

Obs:- O uso da erva-doce é alternativo e poderá ser até eficaz, mas não substitui a assistência médica necessária. Em caso de sintomas, principalmente em grávidas e crianças, os respectivos médicos devem ser consultados. Porém, o uso da erva-doce como chá diariamente acontece empiricamente ao longo dos séculos sem causar danos. Se bem não faz, mal também não. Por que não prevenir então?

Roberte Metring

_________________

Sucesso e paz.
Varekai (onde quer que seja)
Roberte Metring – CRP 03/12745

Não me peça explicações, não as tenho. Eu simplesmente aconteço.
Psicoterapia – Consultoria – Cursos – Palestras
 Docência – Supervisão
contato@psicologoroberte.com.br – www.psicologoroberte.com.br