É comum a confusão na aplicabilidade desses dois termos, por isso julgo útil algum esclarecimento, sem no entanto, oferecer aprofundamento.

Tanto na GESTALT-TERAPIA quando na PSICOLOGIA DA GESTALT, como fica evidente, é utilizado o termo GESTALT, que na língua alemã, sem tradução literal na língua portuguesa, tem o significado de forma, todo, configuração. Apesar da silimaridade no nome, não representam exatamente a mesma coisa, nem têm os mesmos propósitos. GESTALT-TERAPIA refere-se, dentro da PSICOLOGIA, a uma linha PSICOTERAPÊUTICA, uma forma de trabalhar clinicamente. PSICOLOGIA DA GESTALT é uma das vertentes em PSICOLOGIA que surgiu para estudar, em particular, as questões da percepção, e a partir disso, elaborar teorias a respeito.

A PSICOLOGIA DA GESTALT, que também poderia ser tomada como PSICOLOGIA DA FORMA, iniciou-se na Alemanha no início do século XX, e seus precursores diretos foram Max Wertheimer (1880-1943), Wolfgang Kohler (1887-1967) e Kurt Koffka (1886 – 1941), embora alguns considerem que Von Ehrenfels, filósofo vienense de fins do séc XIX tenha sido o verdadeiro precursor. Considera os fenômenos psicológicos como um conjunto autônomo, indivisível e articulado na sua configuração, organização e lei interna; prega que o todo é muito mais que a soma de suas partes, e justifica afirmando que as percepções de elementos isolados geram uma forma organizada e única, com um significado igualmente distinto para cada pessoa. Ou seja, os mesmos elementos perceptivos podem ser reorganizados e passam a gerar um novo conjunto, com significado totalmente diferente, novo e único para a pessoa, pois o todo significativo depende da natureza da inter-relação das partes, da qualidade de seus elementos, da posição de cada elemento no tempo e no espaço, e da influência recíproca entre esses elementos todos num determinado momento ou contexto. Assim, os substantivos rosa, flor, cadeira, mulher, casa, podem significas coisas completamente diferentes, dependendo da organização em que forem percebidos.

A GESTALT-TERAPIA foi criada por Friedrich Salomom Perls, ou simplesmente Fritz Perls, por volta de 1950, e foi edificada como prática psicoterapêutica que continha em si várias raízes. As correntes filosóficas incorporadas tinham várias fontes: européias, orientais e americanas.

Também nutriram a GESTALT-TERAPIA várias teorias e abordagens de dentro da própria PSICOLOGIA, incluindo, e com grande força e espaço, a PSICOLOGIA DA GESTALT. Os objetivos dessa prática PSICOTERAPÊUTICA estão na ordem da promoção da awareness – estado de consciência, da estimulação do contato, da ação no aqui e agora, e do aproveitamento máximo do sistema sensorial e motor a fim de permitir o reconhecimento e o fechamento das Gestalten (plural de GESTALT na língua germânica) abertas ao longo da vida da pessoa. Gestalten abertas são coisas mal resolvidas, não acabadas, das quais a pessoa tem pouca ou nenhuma consciência, e não consegue, por isso, fazer uma boa apreciação sobre sua validade ou não em sua vida. Perls poderia ter utilizado qualquer outro nome para colocar na prática terapêutica que estava criando, mas utilizou GESTALT, sem que, contudo, houvesse registro de que pretendesse estabelecer paralelo de igualdade entre as duas escolas, e que se fique claro, uma investigativa e outra intervencionista.

Roberte Metring

_________________

Sucesso e paz.
Varekai (onde quer que seja)
Roberte Metring – CRP 03/12745

Não me peça explicações, não as tenho. Eu simplesmente aconteço.
Psicoterapia – Consultoria – Cursos – Palestras
 Docência – Supervisão
[email protected] – www.psicologoroberte.com.br