Questão: “Tenho 23 anos, sou apaixonado por uma garota de 20, minha colega. Já presenciei ela ficando com muitos rapazes, comportamento que pelo excesso não confirmo no ambiente em que convivemos com outras garotas. O mais desagradável é que ela parece fazer questão de mostrar isso a todos o que me causa enorme desconforto. (…) Ela sempre me cria situações desconfortáveis, não é atirada, porém insinuante. Gosto enormemente dela, minha vontade é me aproximar, mas não é por medo de levar um não que não faço isso, mas pelo fato de pensar em tê-la junto a mim e – como aconteceu com todos que vi a seu lado – logo em seguida ver ela com outra pessoa; isso me magoaria muito. Eu tive depressão há anos atrás, hoje estou bem melhor e não quero passar novamente por aquele esgotamento nervoso. (… ) Gostaria de estabelecer um relacionamento saudável, onde se possa conquistar alguém que esteja disposta a dar espaço para que o amor aconteça. Tive dois namoros com outras garotas nesses três anos mas não consegui esquecê-la. (…) Na ultima semana sonhei por três noites com ela (…). O que você pode me dizer sobre o comportamento dela e a minha situação?

Esse questionamento chegou via email, por conta do post VOCÊ QUER SABER? PERGUNTE! Como informado, por questões morais e éticas serão suprimidos todos os dados que possam facilitar a identificação do leitor ou leitora. 

Em primeiro lugar, 23 anos de idade ainda é uma idade de apaixonamento, e é bom que seja. Por isso, até ai nada estranho você estar apaixonado por sua colega de 20 anos, como bem poderia estar apaixonado também por uma de 40, ou mais idade, sem maiores problemas. Inclusive hoje é muito comum que a idade não seja mais um obstáculo para tanto.

A garota também está numa idade de apaixonamento, e provavelmente, por força da própria natureza, e das reações químicas da espécie, mesmo que inconscientemente, procurando o melhor parceiro para constituir família e gerar filhos sadios. Assim surge a sedução e os comportamentos insinuantes, como balizadores do processo, e de forma mais acentuada quanto menos castradora tenha sido a educação da pessoa. É assim em toda a espécie animal.

O agravante é sua observação quanto ao comportamento da moça, que parece fazer questão do exibicionismo. Algumas estruturas de personalidade tem essa tendência de se sentirem motivadas mais pela conquista do que pela relação, comum a homens e mulheres. Pode ser o caso dela. Se for, lembre-se, a conquista será sempre mais importante, e tende a continuar assim por muito tempo, até que a natureza cuide de fazê-la acreditar que encontrou “o cara”. Não é uma coisa de certo ou errado, é uma coisa de simplesmente ser assim. Portanto, não vamos julgá-la, ela é assim, e encontrará alguém que seja condizente com sua forma de viver a vida.

Quanto a você, o fato de ter passado por um período de depressão não significa que é uma pessoa doente, porém, há que prestar atenção redobrada ao se aproximar de situações que possam provocar um novo estado depressivo, visto que há uma tendência a essa manifestação depressiva em você. Assim, é sua responsabilidade identificar e se afastar de situações ou eventos que permitam a manifestação. A recorrência é sempre mais delicada e importante que o primeiro quadro depressivo.

Amor é um processo. Acredito que não houve ainda tempo nem motivos para amá-la, parece mais que trata-se de um processo de apaixonamento da sua parte, e de escolha e conquista da parte dela. Se ela realmente achasse ser você a melhor opção, acredito que já teria tomado a decisão de “conquista-lo” a todo custo. Pense na possibilidade de você estar vivendo essa situação unilateralmente, e se assim for, melhor será procurar gastar sua energia com coisas mais produtivas, como a profissão, o laser, e mesmo novas oportunidades de relacionamentos, só que, saudáveis. Essa forma de relação que você está deixando acontecer lhe é saudável? Acredito que não, pois fosse, você certamente não me teria escrito.

Outra coisa importante é que você pare um pouco para pensar no seguinte: o que essa moça representa para você, que buracos ela tapa, em que carências suas ela se encaixa? Talvez descubra que está apaixonado mais por uma possibilidade do que por uma realidade.

Você não consegue esquecê-la, porém, não parece que tenha vivido ainda uma relação intensa, real e verdadeira com ela, portanto, você não consegue esquecer é seu desejo de tê-la ao seu lado, sabe-se lá por qual motivo. Os seus sonhos me ajudam a pensar assim. Se já tivesse ocorrido de vocês se relacionarem na prática,onde houvesse acontecido troca de contatos físicos, onde as energias tivessem se mobilizado e se tornado coisas reais, os pensamentos e sonhos teriam outra fonte, mas no seu caso, acredito que você está mais ligado ao seu próprio desejo do que a ela. Parece um tipo de platonismo.

Portanto, a  mais importante coisa a ser dita é: você é responsável por suas escolhas, entre elas, decidir se quer viver bem e com experiências saudáveis, ou se qualquer tipo de experiência lhe serve, mesmo lhe causando algum mal.

Se você gosta de viver assim, nada há a ser feito, e você pode continuar ligado a essa pessoa para sempre. Se você acha que isso lhe causa mal estar, então é hora de tomar algumas decisões importantes.

Caso decida dissolver esse sentimento para ter paz e poder procurar uma relação mais saudável, e isso seja muito difícil para você, então é hora de procurar ajuda profissional. Busque encontrar um serviço de psicoterapia para ajudá-lo a encontrar suas verdades, e criar repertório cognitivo e comportamental no sentido de ter paz e saúde.

Roberte Metring

__________________

Sucesso e paz.
Varekai (onde quer que seja)
Roberte Metring – CRP 03/12745

Não me peça explicações, não as tenho. Eu simplesmente aconteço.
Psicoterapia – Consultoria – Cursos – Palestras
 Docência – Supervisão
contato@psicologoroberte.com.br – www.psicologoroberte.com.br