Qual a diferença entre gratidão e gratificação? Já pensou nisso?

Vamos ao velho e bom amigo Aurélio:

  • GRATIDÃO: Reconhecimento por um benefício recebido; agradecimento.
  • GRATIFICAÇÃO: Retribuição por um serviço extraordinário.

Ao longo da vida algumas pessoas (muitas, inclusive eu) acabam sendo educadas a gratificar mais do que serem gratas, e pior, esperar alguma forma de gratificação pelo que fazem. E educação é coisa séria, é como um programinha que é instalado em nossa mente, que ninguém sabe desinstalar. É para a vida toda.

Gratificação fica muito bem quando estamos falando das relações profissionais e comerciais, mas, e na vida diária, nas relações de amizade ou coleguismo?

Dívida tem a ver com GRATIFICAÇÃO ou com GRATIDÃO? Será que é justo falar em dívida de gratidão? Seguramente, divida tem a ver com GRATIFICAÇÃO. Não acredito ser justo pensar em dívida de GRATIDÃO.

Quantas vezes você já se sentiu obrigado(a) a retribuir um favor, a atender ou retribuir um pedido de alguém que um dia já fez por você? Isso é gratidão ou gratificação?

A gratidão é um sentimento que nada tem a ver com a necessidade de retribuição. A gratidão é um sentimento interno, da alma, que emana energias positivas de amor e consideração pela pessoa que lhe serviu de alguma forma.

Quando você for atendido por alguém, quando for socorrido, receber um favor ou coisa assim, pense duas vezes antes de dizer OBRIGADO, e ainda pense mais vezes antes de dizer MUITO OBRIGADO. A palavra OBRIGADO é uma espécie de algema (e MUITO obrigado, mais que uma algema), onde você está penhorando-se para daqui a pouco ser solicitado a fazer algo, talvez num tempo que não tenha, talvez da forma que não saiba, talvez utilizando os recursos que não possua, mas terá que ceder e fazer, afinal, você está OBRIGADO, lembra? Ah, você leitora, também deve ter dito alguma vez OBRIGADA, o resultado é o mesmo, sendo você do sexo masculino ou feminino. As algemas não escolhem sexo.

Em vez de se sentir OBRIGADO pelo que recebeu, sinta-se GRATO, e diga AGRADEÇO DO FUNDO DO CORAÇÃO PELO QUE VOCÊ FÊZ. E a partir disso, realmente emane as melhores energias que tiver em benefício daquele.

Mas cuidado, isso tudo ficou legal quando você recebe o favor ou a gentileza. E quando é você quem faz? Está esperando gratidão ou gratificação?

Um dia eu fiz aquilo para fulano, e nem recebi consideração! Quando você precisou de mim eu lhe servi, agora que preciso de você, você simplesmente diz que não pode? Alguma vez você já usou esse tipo de argumentação? Aposto que sim, pelo menos se você faz parte da raça humana (talvez existam alguns anjos entre nós, não sei bem…). Pois é, esse é o programinha da gratificação funcionando em nosso computador mental.

Portanto, após essa reflexão, podemos talvez dizer que a melhor forma de praticar a gratidão é não esperar nada em troca, nunca. Se tiver que fazer, faça, se não, não faça, simplesmente isso.

O bom Jesus já dizia que nossa mão esquerda não deveria saber o que faz a direita. Acredito que isso represente a necessidade de simplesmente fazer o que é preciso fazer, e pronto. Acabou? Então está acabado!

Se aquele que se beneficiou for grato, você terá dias felizes, saúde perfeita e alegria por ter feito. Se não…. bem… paciência. Mas você não sofrerá!

Texto publicado na Revista Psicobela Digital, quarta edição Dez/2010.

Roberte Metring

_________________

Sucesso e paz.
Varekai (onde quer que seja)
Roberte Metring – CRP 03/12745

Não me peça explicações, não as tenho. Eu simplesmente aconteço.
Psicoterapia – Consultoria – Cursos – Palestras
 Docência – Supervisão
contato@psicologoroberte.com.br – www.psicologoroberte.com.br