Caros leitores. Vocês já devem ter lido esse post quando repliquei o texto escrito por Wallace Sousa (clique aqui para ler). Como o tema voltou à baila por conta de um comentário que me foi solicitado, resolvi fazer uma releitura daquele texto, e colocá-lo novamente à reflexão com meus próprios comentários, e desejo que Wallace não se sinta chateado com isso..

O trecho em pauta era: “vai-te em paz e não peques mais”.

Essa já muito antiga frase de poucas palavras, dita a uma mulher que ia ser morta por adultério há 2000 anos atrás, encerra em si valiosas lições que nos servem até hoje. Vamos refletir um pouco.

1. Vai-te significa, em primeiro lugar, deixe seu passado para trás.

Qual a vantagem de carregar o fardo do passado em suas costas? O que você ganha com isso? Você errou, corrija e passe a acertar. Você acertou, parabéns, use o benefício do acerto para se incentivar e estimular a acertar novamente, afinal, você já sabe como é que faz. Mas você não pode mais acessar o passado. Ele se foi, passou. Agora é o segredo. Agora você pode fazer qualquer coisa, no passado não mais.

2. Vai-te significa, em segundo lugar, avance

Se você está parado no meio do caminho, preso a uma situação qualquer do passado, avence. Se está paralisado pelo peso da culpa, perdoe-se ou peça pedão e avance. Se está paralisado pelo peso do erro e da injustiça contra si, perdoe os outros e livre-se desse lixo. Avance. Seus projetos falharam? Reforme-os, reformule-os ou abandone-os, e avance. Ficar sentado a beira do caminho não vai deixar você melhor, nem vai lhe dar o que você precisa conseguir por si mesmo. Ninguém vai parar para dar carona, todos estão na estada da vida para chegar a algum lugar. Ninguém gosta de caroneiros. Saia do canteiro do passado. Avance, um passo de cada vez, pode ser até devagarinho, mas avance. Está pensando em desistir, então desista de uma vez,  e avance. Vá em frente, erga a cabeça, e avance.

3. Vai-te significa, em terceiro lugar, não pare.

Não é fácil perceber o movimento de desaceleração. Somente quando paramos de vez, num tranco, é que sentimos os efeitos da parada. Mas raramente isso acontece. Normalmente paramos devagarinho. E sabe a melhor forma de cozinhar um sapo? É devagarinho. Como ele é pecilotérmico, ou seja, ele é afetado pela temperatura externa e se adapta a ela, você pode jogá-lo na água fria, colocar a panela no fogo, e ele vai cozinhando sem saber. Assim nós fazemos nossas paradas, devagarinho. Só percebemos quando estamos parados, mas não percebemos que levamos muito tempo PARANDO. A desaceleração já aconteceu quando você diminuiu a velocidade, a parada é só o final da desaceleração. Portanto, comece a prestar a atenção se não está desacelerando. Aquele emprego que já não te realiza mais… Aquela relação que está sem tempero algum… Aquelas atividades que você já faz só por obrigação… Todos são sinais de desaceleração. O que fazer? Retome a aceleração, ou então pare de uma vez, reveja o mapa, reorganize a rota, e recomece, mesmo que lentamente, pois partindo do zero, todas as velocidades são aceleração. Respire fundo e continue sem medo.

4. Vai-te significa, em quarto lugar, não desista.

O cansaço, os obstáculos, e até mesmo os comentários de outras pessoas podem nos fazer pensar que não vale à pena. Não desista de nada daquilo em que você acredita. Se não acredita mais, siga os passos do item anterior, e pare de uma vez para fazer a retomada. Mas se tiver que desistir, que seja por bons motivos, e não porque colocaram lixo demais nas suas costas. É, temos mania de ficar carregando os nossos lixo, e os lixos dos outros, isso pesa, nos faz pensa em desistir. Quando pensar em desistir, pense bem se não é por causa do lixo, e se não está carregando lixo alheio. Devolva o lixo alheio aos seus geradores, e consuma com os seus. Olhe-os de frente e incinere-os com o fogo do auto-perdão. Lembre-se, vai-te e não peque mais. Incinere seu lixo, e não produza outros semelhantes. Sempre produziremos lixos, e temos que agir diariamente limpando-os de nós mesmos. Mas não faça isso jogando o lixo no quintal dos outros. Sempre olhe-os de frente, e incinere-os com o fogo da reflexão. Purifique seu lixo e queime-o. Não desista por causa dos lixos. Se tiver que desistir, que seja porque encontrou uma forma mais prazerosa de viver. .

5. Vai-te significa, em quinto e último lugar, siga em frente.

Muitas vezes não desaceleramos e nem estamos caminhando para a parada final. Mas apesar disso, é como se ficassemos andando em circulos, passando sempre pelos mesmos lugares e situações. Já sentiu isso? Fazemos uma volta enorme e não percebemos que estamos correndo em direção ao ponto de partida. Que você andou, andou. Não parou, não desistiu, mas…. não saiu do lugar. Pois é, você não ficou parado, é certo, mas também não foi a lugar algum. Então, além de manter-se acelerado, olhe bem as placas e veja se está indo a algum lugar. Se não tiver, por favor, reveja o mapa, os planos, a rota, os objetivos. Tome uma atitude. Siga em frente na busca do que deseja, na realização dos seus planos. Mude de estrada, de direção, e siga em frente. Saberá reconhecer o gosto da vitória quando chegar onde desejou. Depois… bem… depois, recomece com mais planos de sucesso.

Acredito que seguindo esses cinco passos, podemos começar a pensar numa vida real e abundante, seja lá em que sentido queiramos ir.

Roberte Metring

__________________

Sucesso e paz.
Varekai (onde quer que seja)
Roberte Metring – CRP 03/12745

Não me peça explicações, não as tenho. Eu simplesmente aconteço.
Psicoterapia – Consultoria – Cursos – Palestras
 Docência – Supervisão
contato@psicologoroberte.com.br – www.psicologoroberte.com.br