Auto-estima é a confiança que cada pessoa tem em sua capacidade de pensar; confiança em sua habilidade para lidar com os desafios da vida; acreditar que se tem o direito de vencer e ser feliz (…)

Este é um pequeno trecho de uma mensagem muito maior que recebi do prof. Chafic Jbeili, psicanalista e psicopedagogo, ao tratar de um assunto delicado, que afeta, positiva ou negativamente, a vida de muitas pessoas: a AUTO-ESTIMA. Para apresentar o assunto, ele dividiu o tema em sete pilares, ou seja, em sete áreas de sustentação, e vem divulgando periodicamente cada pilar, um por vez.

Achei interessante o formato utilizado pelo professor para apresentar o assunto, tanto do ponto de vista metodológico quanto pedagógico, atendendo tanto estudiosos como leigos curiosos. Por essa razão, solicitei-lhe autorização para postar os textos recebidos, e o farei em partes, no desejo e esperança que possam ajudar os leitores e leitoras a refletirem sobre si mesmos, e sobre uma forma de vida saudável e significativa. Sempre que me parecer cabível alguma observação, esta será devidamente identificada e comentada ao final do texto.

O primeiro pilar da auto estima, defendido pelo prof. Chafic é a Consciência (1). Tenho certeza do poder reflexivo do tema, e igual certeza sobre o prazer de sua leitura por meus alunos e colegas Gestaltistas. Vejamos o texto como se apresenta:

“A auto-estima está para a dinâmica psíquica tal qual o sistema imunológico está para o corpo. Da mesma forma como o corpo se protege dos ataques de agentes nocivos ao organismo, a qualidade do afeto e valor próprio que cada pessoa nutre sobre si mesma resguardará sua saúde mental, fortalecendo-a e preparando-a para as exigências biopsicossociais e espirituais, inerentes às suas vivências.

De acordo com o Dr. Nathaniel Branden, auto-estima é a confiança que cada pessoa tem em sua capacidade de pensar; confiança em sua habilidade para lidar com os desafios da vida; acreditar que se tem o direito de vencer e ser feliz e, ainda, a convicção íntima de que a pessoa pode afirmar suas necessidades perante seus semelhantes, acreditando merecer usufruir dos resultados de seus esforços.

Considera-se, portanto, como possuidora de saudável auto-estima a pessoa que demonstra confiar nas próprias idéias e aceita intimamente ser merecedora da felicidade. Estas convicções inspiram o comportamento das pessoas e as fazem parecer mais felizes e realizadas do que outras, mesmo não tendo tanto quanto as outras pessoas possam ter.

Isto significa que não é, necessariamente, a quantidade de dinheiro, bens e intensidade de consumo que uma pessoa sustenta que irá determinar a qualidade de sua auto-estima. Igualmente, quanto pior for a auto-estimade uma pessoa, mais ela necessitará demonstrar status e poder, seja financeiro, social, intelectual etc.

A auto-estima interfere diretamente no comportamento das pessoas e, consequentemente, a forma como cada pessoa se comporta irá influenciar a qualidade de sua auto-estima, estabelecendo um ciclo constante de causa e efeito. Esta sucessão de pensamentos e atos requer atenção e cuidados instantâneos, a exemplo da pessoa que age de uma determinada forma e depois se arrepende, culpando-se e sentindo-se a pior pessoa do mundo. Acreditar nisto faz com que a pessoa adote pensamentos depreciativos sobre si mesma e então parte para atitudes autopunitivas. Assim, não se permite o mínimo prazer e evita sair, curtir os amigos ou um cinema; descuida-se da aparência pessoal e tende a cumprir apenas a rotina mais necessária que lhe for exigida.

É nestas horas que a pessoa precisa ser mais gentil consigo mesma; evitando os excessos da autoexigência e ao invés de menosprezar-se por não ter alcançado a perfeição deve perguntar-se como desenvolver ações mais assertivas. Esta atitude madura irá oportunizar pequenos avanços e melhorias na qualidade da auto-estima e, por conseguinte, influenciar ações das quais a própria pessoa terá mais orgulho de si, empregando progressivamente mais valor às suas idéias e aumentando a crença de que merece e pode ser feliz.

É incrível como se pode elevar o orgulho e respeito próprios com pequenas ações. A auto-estima é uma conseqüência de atitudes internas. Não se pode trabalhar diretamente a auto-estima de ninguém, porque esta é a soma de pensamentos e ações. O que a pessoa faz determina o que ela pensa sobre si mesma. O que a pessoa pensa sobre si mesma influencia o “que” e “como” irá fazer algo. Isto exige o uso de uma das maiores faculdades humanas: a consciência!

Neste sentido, o primeiro dos sete pilares da auto-estima é a “atitude de viver conscientemente”. Viverconscientemente é a capacidade que cada pessoa desenvolve para estar o mais cônscia possível do espaço que ocupa, onde quer que esteja presente; estar o mais cônscia possível do papel que desempenha em seu momento mais imediato, e determinar suas ações de acordo com estas percepções.

Para os biólogos ela distingue o ser humano das demais espécies vivas. Para os médicos ela é um importante sinal vital do cérebro. Para os filósofos é um dos mais nobres atributos existenciais que o ser humano possui. Para religiosos e espiritualistas ela é interpretada como a própria iluminação. Para os cientistas da mente ela é questão imprescindível para saúde mental. Para a psicanálise é o remédio das neuroses. Ela é a consciência!

Toda pessoa é muito mais capaz, inteligente e brilhante do que imagina ser, e a consciência é a mais verídica, confiável e justa prova desta irrefutável verdade. Conhecer a si mesmo é uma das mais gratificantes tarefas que uma pessoa pode empreender durante sua vida.

Quando a pessoa simplesmente ignora suas necessidades, interesses e desejos, obrigando-se e sujeitando-se desde relacionamentos, tarefas e atitudes que contrariem suas convicções íntimas, então ela estará se traindo e ferindo sua auto-estima, exceto quando tem consciência daquilo que decidiu fazer.

A pessoa que vive conscientemente percebe a força de suas palavras, de suas ações. Percebe quão firme ou frouxo é o seu aperto de mão; quão intenso ou vazio é o seu olhar; quão focada ou dispersa está a sua atenção.

Há que se permitir distrair-se, mas a distração à revelia é o mesmo que uma mente desgovernada, impulsiva, inconsciente. Penso que é a consciência quem deveria estimular as ações das pessoas e não as ações consumadas conflitar com a consciência. A não ser em caso de defesa, fuga ou evasão nas situações de risco, todas as outras ações deveriam proceder ao pensamento, nunca o contrário.

Fugir à realidade é o mesmo que fugir à consciência e fugir à consciência é o mesmo que negar a responsabilidade da própria vida. Desta forma, a pessoa que vive conscientemente assume os prazeres e os desprazeres de suas realizações e de suas vivências. Não transfere o dolo de sua existência a outrem, pois apesar de às vezes ser desconfortável sabe que seu estado e condição atuais são responsabilidade sua.

A pessoa que vive conscientemente põe tudo que é no mínimo que faz. Envolve-se com sua dinâmica pessoal e com seus afazeres. Percebe-se a maior parte do tempo e, por isto, tem condições de regozijar com seus acertos e aprimorar aquilo que acredita possa melhorar, independentemente das críticas que recebe, tanto as positivas e construtivas quanto as nocivas e depreciativas, pois está com seu sistema imunológico mental fortalecido.

O mais importante, neste aspecto, não é manter forte esquema de autovigilância, antes, o mais importante é exercitar a consciência em relação à dinâmica íntima e pessoal. Viver conscientemente é ser agente de suas próprias vontades ao invés de perceber-se como vítima da vontade dos outros ou da própria circunstância. Isto faz aumentar o orgulho e respeito próprio, influenciando a qualidade da auto-estima.

Para desenvolver e fortalecer o primeiro pilar da auto-estima sugere-se estimular a atenção na própria pessoa. Criar dinâmicas ou jogos em que a pessoa possa observar a forma como fala, como anda, como se relaciona com outras pessoas, suas manias, suas virtudes, suas gafes. É importante rever o inventário de suas coisas prediletas: cores, músicas, flores, roupas, palavras, frases, pessoas, comidas, acessórios etc.

Pergunte a pessoa (2) sobre o que terá de fazer para estar mais consciente em seu trabalho, em seus relacionamentos, em seus estudos, enfim, em seus momentos diários. Incentive-a (nota – incentive-se) fazer uma coisa de cada vez e a viver apenas um dia a cada 24 horas. A prestar mais atenção ao tempo imediato e aos movimentos do próprio corpo e das próprias palavras e atitudes, assim estará praticando a arte de viver conscientemente.”

Prof. Chafic Jbeili

____________

Sucesso e paz.
Varekai (onde quer que seja)
Roberte Metring – CRP 03/12745

Não me peça explicações, não as tenho. Eu simplesmente aconteço.
Psicoterapia – Consultoria – Cursos – Palestras
 Docência – Supervisão
contato@psicologoroberte.com.br – www.psicologoroberte.com.br