Ah o medo! Na medida certa nos preserva a vida, nos faz calar na hora certa, nos faz baixar a cabeça e oportunamente recuar de uma investida fadada ao fracasso. Por causa do medo olhamos se vem carro antes de atravessar a rua.

Ah o medo, quão oportuno és na justa medida! Mas quem sabe ao certo sua medida?

Assim inicia um dos textos que recebi do Prof. Chafic Jbeili, que fala sobre o medo, o medo na medida certa, e o medo fora das medidas. O texto completo discorre sobre vários tipos de medos, faz refletir sobre possibilidades perdidas por causa do medo, e tudo o mais. Mas desejo que meus leitores se atenham ao que se segue, e reflitam bem sobre o que estão fazendo das suas vidas, se for o caso, por causa do medo.

Desejo que reflitam quanto estão aprisionados, perdendo vida e energia em medos, medos antigos, medos atuais, e com medo dos novos medos. Leiamos trechos que retirei do texto principal:

(…)

Fora de tal medida, que é personalíssima, o medo mantém o homem refém da tentativa impedindo-o crescer; mantém pais reféns dos filhos; mantém o trabalhador refém de um sistema que não acredita mais e de um emprego rentável, embora medíocre e sem graça. O medo fora da medida mantém mulheres mal tratadas refém de uma despensa bem provida. O medo evita o esforço e a dor ao mesmo tempo em que inibe a ação bem sucedida, coroando de glória a inércia que alenta o conforto e a comodidade do “tá tudo bem!”.

(…)

Muitos dos medos que as pessoas vivem foram implantados por idéias ou acontecimentos do passado que as fizeram sofrer e pensar que as coisas não darão certo nunca mais. Elas não querem sofrer de novo e por isso desistem de tentar realizar seus objetivos e alcançar seus sonhos. Essas pessoas escolhem abrir mão de sua visão de vida temendo enfrentar as adversidades. Temem serem traídas novamente. Temem ficar desempregadas. Temem a ruptura, a mudança, o novo, o imprevisível.

(…)

Os objetivos pessoais e a visão de vida que uma pessoa nutre em sua alma sempre terão de ser maiores que as adversidades que ela enfrenta. Nada pode desviar uma pessoa determinada do caminho que acredita leva-la à realização de suas aspirações. Por isso ela precisa vencer o seu medo ou pelo menos coloca-lo na justa medida.

As pessoas bem sucedidas são aquelas que rompem com suas experiências negativas do passado, superam seus medos e partem determinadas a alcançarem seus sonhos. Elas buscam os elementos que podem regenerar suas forças e nutrir sua fé, dando-lhes força de vontade e coragem suficiente para tentarem não mais uma vez, mas até conseguirem o que querem.

Quem decide romper com o medo que eventualmente lhe paralisa sente instantaneamente uma força latente aflorar em forma de esperança, alegria e vontade de conquistar ainda mais coisas. Humanamente falando, nada nem ninguém, seja o que for, seja quem for, pode impedir a realização de um sonho a não ser o próprio medo fora da justa medida!

(…)

Prof. Chafic Jbeili

_________________

Sucesso e paz.
Varekai (onde quer que seja)
Roberte Metring – CRP 03/12745

Não me peça explicações, não as tenho. Eu simplesmente aconteço.
Psicoterapia – Consultoria – Cursos – Palestras
 Docência – Supervisão
contato@psicologoroberte.com.br – www.psicologoroberte.com.br