Pequenos procedimentos poderiam ser mais úteis que as informações que estão assolando as pessoas, tornando suas vidas de simples mortais em cena dantesca, digna da Divina Comédia.

Faltam essas informações sobre coisas simples que podem ser utilizadas de forma racional, sem pânico e com alto grau de eficácia na prevenção. Por exemplo, o uso das máscaras, que está virando marca registrada do pânico. Mas de que adianta pegar a máscara com a mão contaminada? De que adianta tirar a máscara para falar com alguém? E qualquer tipo de máscara serve? Em que tipo de lugar usar máscara? E se mesmo com a máscara uso a mão para coçar os olhos? Isso tudo só para falar da máscara.

O Dr. Marcio Bontempo (CRM-DF 15458), médico sanitarista do DF, divulgou uma lista de pequenos procedimentos que podem ser utilizados por qualquer pessoa. Para não tornar o artigo por demais longo, vou apresentar essas dicas em partes.

PEDRA DE CÂNFORA

Segundo o Dr. Márcio, durante a gripe espanhola no começo do século passado, milhões de pessoas morreram, mas aqueles que lidavam com os doentes raramente contraiam a virose. Havia uma orientação para que o pessoal de serviço, médicos, enfermeiros, etc. usasse um saquinho de gaze com pedras de cânfora pendurados no pescoço. As emanações voláteis da cânfora esterilizariam o ar em sua volta e protegeriam as mucosas.

Então, podemos fazer o mesmo. Basta adquirir a cânfora na farmácia comum (algumas pedrinhas bastam), confeccionar uma bolsinha de gaze e pendurar no pescoço, podendo inclusive manter por dentro do vestuário, sem necessidade de deixar à mostra (se bem que o ideal é manter do lado de fora). Deve ser usado constantemente durante o contato com as pessoas. É uma boa dica para quem lida com pessoas ou trabalha em ambiente de aglomeração, etc., completa Dr. Bontempo.

Note-se, no entanto, que essa providência pode trazer resultados para a transmissão pelo ar. De nada adianta a pessoa estar com a mão contaminada pelo vírus, levá-la à boca ou olhos, e achar que a volatividade da cânfora vai esterilizar a mão. Da mesma forma, seria ingenuidade pensar que por estar com a mãos limpas, a pessoa deixe de se contaminar resíduos do espirro ou da tosse de outra pessoa. Enfim, são várias pequenas providências, e acima de tudo, um sistema imunológico forte que ajudarão a combater o vírus H1N1.

Fonte da informação: Dr. Marcio Bontempo

Roberte Metring

_________________

Sucesso e paz.
Varekai (onde quer que seja)
Roberte Metring – CRP 03/12745

Não me peça explicações, não as tenho. Eu simplesmente aconteço.
Psicoterapia – Consultoria – Cursos – Palestras
 Docência – Supervisão
[email protected] – www.psicologoroberte.com.br