Recebi do Prof. Chafic Jbelli um email com dicas muito interessantes sobre como escolher uma Pós-Graduação com o mínimo de riscos. Acredito que seguindo esses passos tudo dará certo. Preste atenção:

Depois da graduação nada de ficar parado! O mercado precisa de profissionais atualizados e especialistas em muitas áreas. A pós-graduação é o caminho certo, mas como escolher um curso e, principalmente, a instituição?

O mercado oferece muitas opções excelentes, mas outras são verdadeiras armadilhas! Cuidado! Aqui vai algumas dicas para auxiliar você em sua escolha:

1) Certifique-se que o curso que deseja fazer reforça sua graduação.

Procure temas afins, preferencialmente da mesma área em que se formou. Humanas com humanas, saúde com saúde, exatas com exatas. Evite cursos cujos títulos nem sequer constam no Código Brasileiro de Ocupações! Cursos tradicionais e conhecidos são melhor aceitos do que cursos com nomes “inventados” ou do tipo “tudo em um”.

2) A carga horária do curso deve ser bem estudada, pois pode invalidar sua pós, a exemplo do curso de psicopedagogia.

Há um Projeto de Lei regulamentado o exercício da psicopedagogia no Brasil e prevê especialização com no mínimo 600h/a. Certificados deste curso com carga horária menor ou só com ênfase institucional não habilitará para o exercício da psicopedagogia (que é clínica e institucional) e provavelmente você terá de fazer outro curso. Embora o MEC autorize cursos de especialização a partir de 360 horas, cheque no seu Conselho de Classe ou Associação as cargas horárias mínimas aceitas no curso que você pretende fazer.

3) Procure saber quais são os benefícios agregados ao curso…

… tais como materiais oferecidos gratuitamente, participação gratuita em palestras, cursos opcionais ou entrada franca em eventos promovidos pela faculdade, bem como atividades extra curriculares, apoio e suporte oferecidos ao longo do curso. Isso faz muita diferença!

4) Pesquise a idoneidade da Faculdade.

Acesse o site da instituição e verifique tudo! Tempo que está no mercado, professores, eventos promovidos, credenciamento junto ao MEC e, se possível, faça uma visita às instalações. Ligue ou vá até o Procon de sua cidade checar se há reclamações contra essa instituição e, se sim, quais os motivos. Isso vai prevenir dor de cabeça, perda de tempo e dinheiro jogado fora!

5) Conheça o coordenador do curso …

…  e faça uma entrevista breve para saber mais sobre sua experiência profissional e sua visão sobre a formação dos acadêmicos (ou consulte seu currículo Lates). Coordenadores renomados, com obras publicadas, com nome a zelar, são sempre mais criteriosos na escolha dos professores e na organização das aulas de modo geral. Um bom coordenador é sempre sinal de um excelente curso.

6) Escolha a modalidade pretendida: presencial, semi-presencial ou à distância.

Não há uma modalidade melhor ou pior do que outra. Tudo dependerá da idoneidade da instituição, seu corpo docente e do projeto. Seja em qualquer modalidade que você escolher, lembre-se de manter disciplina com os horários, assiduidade nos encontros e presteza na realização das atividades, além da pontualidade nas mensalidades. Isso dará mais qualidade ao seu curso e depende só de você!

7) Resista a tentação de escolher seu curso somente pelo preço da mensalidade.

Lembre-se que o barato sempre sai caro! Há cada vez mais instituições que atuam como verdadeiras “feiras” fazendo “promoções” desconexas, vendendo cursos como se fossem geladeiras a preços “imbatíveis”. Isso funciona com eletrodomésticos, mas não com Educação. Fique atento para não entrar numa fria! Nem todo curso caro é necessariamente o melhor, mas certamente a maioria dos cursos muito baratos, com mensalidades muito abaixo da média regional serão no mínimo insuficientes ou inócuos em sua carreira. Cuidado com as armadilhas!

8) Não acredite em mensalidades muito baratas ou promoções absurdas…

… pois bons professores em boas instalações custam caro e isso será repassado ao preço das mensalidades. O MEC exige que 50% do corpo docente seja Mestre ou Doutor, cuja hora aula pode chegar ao dobro ou triplo de um especialista. Há faculdades sem compromisso com a Educação ou em rota de falência e no desespero anunciam mensalidades super atraentes, com docentes recém formados, inexperientes ou sem expressão profissional. Essa estratégia pode até baratear o valor das mensalidades, mas nem sempre conseguirá oferecer qualidade ao curso ou pelo menos fazer concluir o projeto, deixando de certificar seus alunos com a seriedade e competência que o mercado exige de um profissional especialista.

9) Faça degustação.

Muitas faculdades permitem que você assista uma aula como ouvinte e assim possa “sentir” como é a organização dos encontros e a qualidade da aula antes de fazer a inscrição. Aproveite para conversar com o colega ao lado no dia da aula e pergunte o que ele está achando do curso, dos professores etc.

10) Estando convencido de que fará a escolha certa…

… então faça sua matrícula e comece a estudar com garra e determinação, sabendo que a especialização pode abrir muitas oportunidades em sua carreira. Estude com afinco e leve seu curso à sério até o fim!

Prof. Chafic Jbeili

__________________

Sucesso e paz.
Varekai (onde quer que seja)
Roberte Metring – CRP 03/12745

Não me peça explicações, não as tenho. Eu simplesmente aconteço.
Psicoterapia – Consultoria – Cursos – Palestras
Docência – Supervisão
contato@psicologoroberte.com.br – www.psicologoroberte.com.br